2013

A 1ª Edição do Projeto de Responsabilidade Social da CONSULAI arrancou no final de 2012 e já surgiram os primeiros resultados. Este projeto, a que chamámos “Iniciativa Crescer”, destina-se a promover a agricultura e os produtos agroalimentares junto de um público jovem em idade escolar e em universidades. A primeira iniciativa foi realizada em parceria com a Escola Secundária Fernão Mendes Pinto de Almada, inserida nos módulos de Consumo Sustentável e Empreendedorismo da disciplina Educação para a Cidadania em articulação com a Biblioteca Escolar. O apoio da professora bibliotecária Carla Crespo foi inestimável e uma parte fundamental para o sucesso da Iniciativa.

A Luis Vicente, SA aderiu à iniciativa abrindo as portas da sua central de embalamento de fruta aos alunos que demonstraram interesse em visitá-la e a Interdoces, Lda fez a delícia dos professores e alunos com a oferta de alguns produtos do seu portefolio, nomeadamente uma cuidada seleção de gomas.

 

                           

 

Na 1ª Edição da Iniciativa Crescer desafiámos seis turmas do 9º ano da Escola Secundária Fernão Mendes Pinto do Pragal (Almada) a apresentar um modelo de negócio criativo em torno de um dos frutos portugueses com maior sucesso no mercado nacional e internacional - Pera Rocha do Oeste. A ferramenta para criação do modelo de negócio apresentado às diferentes turmas, foi o “Business Model Canvas”. Este modelo, que foi impresso numa folha de papel A2, consistia numa tela divida nas nove áreas mais representativas das áreas chave de uma empresa:

  1. Segmentos de Clientes: Define os grupos de pessoas ou as organizações que uma empresa visa atingir e servir;
  2. Canais: Identifica a forma como a empresa comunica e tenta influenciar os seus Segmentos de Clientes para proporcionar uma Proposta de Valor;
  3. Relações com os Clientes: Tipo de relações que uma empresa estabelece com Segmentos de Clientes específicos;
  4. Propostas de Valor: Conjunto de produtos e serviços que criam valor para Segmentos de Clientes específicos;
  5. Recursos Chave: Descreve os ativos mais importantes para o funcionamento do modelo de negócio;
  6. Atividades Chave: Descreve as tarefas mais importantes que uma empresa deve executar para conseguir que o seu modelo de negócio funcione;
  7. Parcerias Chave: Descreve a rede de fornecedores e parceiros que permitem fazer o modelo de negócio funcionar;
  8. Estrutura de custos: Descreve todos os custos envolvidos na operacionalização do modelo de negócio;
  9. Fluxos de rendimento: Representa o proveito que uma empresa gera a partir de cada Segmento de Clientes.

O objetivo que se pretendia atingir consistia em dar a conhecer os fundamentos básicos de um negócio e os fundamentos do empreendedorismo ao mesmo tempo que se refletia e se aprendia sobre a importância do setor agrícola e agroalimentar, em particular da sub-fileira da Pera Rocha do Oeste. Dado o público-alvo e a ligação com a disciplina Educação para a Cidadania abordou-se também o tema do consumo sustentável, nas vertentes ambientais e da saúde humana. O trabalho decorreu durante o 2º período do ano letivo 2012/2013, em que se construiu a maleta pedagógica, com o apoio da Consulai, que participou ativamente na capacitação dos alunos e dos professores, nomeadamente no enquadramento do setor da Pera Rocha do Oeste e na construção da tela do modelo de negócio.

Ao longo do 2º período do ano letivo 2012/2013, trabalhámos em conjunto com a Biblioteca Escolar desenvolvendo os conteúdos para integrar na disciplina Educação para a Cidadania, no módulo sobre Consumo sustentável. O desafio era ambicioso e todas as turmas tiveram de trabalhar e estudar a importância da Pera Rocha do Oeste e a sua relação com o Consumo Sustentável, ao mesmo tempo que iniciavam os trabalhos prospetivos de pesquisa de produtos relacionados com a Pera Rocha do Oeste.

Apresentado o conceito, definiram-se os critérios de avaliação para selecionar os vencedores e o prémio final. Os parâmetros de avaliação definidos foram:

• Rigor da informação; 

• Criatividade / produto diferenciador e inovador; 

• Estrutura do trabalho.

O prémio final, a atribuir à turma vencedora consistia numa visita de estudo a uma central de embalamento de Pera Rocha do Oeste e a um pomar desse fruto. Em cada turma foram criados grupos de trabalho, de 4-5 elementos, que entre si desenvolveram a sua tela de Modelo de Negócio. Cada turma elegeu o grupo que a representaria como finalista e o trabalho final, que consistia na apresentação da tela de negócios em vídeo, foi avaliado por um painel constituído pela direção da Consulai, um agricultor e um membro da Escola Secundária Fernão Mendes Pinto. Os resultados foram muito interessantes e superaram as expetativas do júri.

RESULTADOS

Após a avaliação dos trabalhos selecionaram-se duas turmas vencedoras:

Os temas apresentados por estes dois grupos foram: 

• Chá de Pera Rocha do Oeste

• Bolachas energéticas para atletas

Somente estas turmas reuniram as condições e os critérios de avaliação definidos. Não obstante, foram apresentadas outras telas de modelos de negócio, nomeadamente um exfoliante à base de casca e resíduos provenientes da semente e pecíolo de Pera Rocha do Oeste!

O prémio atribuído às duas turmas vencedoras consistiu na oportunidade de visitar a central de embalamento de fruta da Luis Vicente, SA e um pomar desta fruta, onde se realizou um peddy paper temático.

Pela avaliação da satisfação dos alunos e professores envolvidos, o balanço da iniciativa foi extremamente positivo. Estamos certos de ter “marcado” estes jovens com memórias do melhor que se faz na agricultura e no sector agroalimentar em Portugal e esperamos que no futuro, pelo menos alguns deles, possam seguir a sua carreira académica e profissional nesta área.

Diversas escolas, ao tomarem conhecimento da iniciativa da Escola Secundária Fernão Mendes Pinto, em sede de reunião de professores bibliotecários, sentiram-se motivados a solicitar a celebração de parcerias idênticas com a CONSULAI, facto que nos deixou extremamente orgulhosos e com o sentimento de dever cumprido.

Este foi apenas o início de um conjunto de iniciativas que gostaríamos de ver crescer e replicar noutras instituições de ensino, sempre aliadas a práticas de desenvolvimento sustentável e de responsabilidade social no sector agrícola e agroalimentar.